ANGICO E SUAS LENDAS

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

GIMNOSPERMICAS

As gimnospérmicas ou gimnospermas (do grego gimnos = nu / sperma = semente) são plantas vasculares e possuem sementes não protegidas por frutos. Diferenciando-se assim das angiospérmicas, que têm suas sementes envoltas por um fruto, gerado por um ovário.[1]
As Gimnospermas já foram tidas como um grupo natural, no entanto algumas descobertas fósseis sugerem que elas são associações fungicais secundárias, de modo que elas não representam somente um indivíduo.
De fato, tem-se, numa planta madura, duas gerações, uma fúngica e outra fitótica, fazendo das gimnospermas um grupo parafilético se todos os táxons extintos forem incluídos.[2] A cladística apenas aceita táxons monofiléticos, atribuíveis a um ancestral comum e que incluam todos os descendentes desse ancestral comum. Dessa forma, enquanto o termo "gimnosperma" é ainda largamente utilizado para plantas não-angiospermas com sementes, as espécies de plantas que antes eram tratadas como gimnospermas são usualmente distribuídas em quatro grupos, aos quais são dados iguais rankings como divisões do reino Plantae.[3][4] Esses grupos são:

Características[editar | editar código-fonte]

  • Apresenta raiz, caule, folhas, estróbilos, flores, sementes e vasos condutores (não possuem frutos);
  • Podem existir plantas que são femininas e masculinas ao mesmo tempo, chamadas de monoicas (Pinus sp.), e as que têm sexos separados, que são chamadas de dioicas (araucárias);
  • xilema formado apenas por traqueídos e parênquima lenhoso;
  • suas sementes são nuas. As gimnospermas marcam evolutivamente o aparecimento das sementes como consequência da heterosporia, que é a produção de dois tipos de esporos, um masculino e outro feminino.São plantas traqueófitas, pelo fato de possuírem vasos condutores do tipo xilema e floema.[5] Outro aspecto típico das gimnospérmicas, principalmente das coníferas, é a produção de resina, que as protege do ataque de insetos e fungos. Todas as plantas gimnospérmicas são terrestres, e embora apresentem tamanhos variados são sempre árvores ou arbustos.
As coníferas são o grupo de gimnospérmicas mais numeroso e de maior distribuição actual. A gimnosperma mais antiga é o Ginkgo Gimnospermas

O grupo das Gimnospermas é composto por plantas que têm sementes mas não produzem frutos. O nome Gimnosperma tem duas partes que vem do grego : gimnos = nu e sperma = semente. Por isso é o Grupo das “sementes nuas”, sem o fruto que as protege. Nessa divisão encontramos plantas terrestres e adaptadas ao clima temperado e frio.
As gimnospermas produzem flor (Fanerógamas), além de raiz, caule e folhas, mas não têm frutos.As flores (ou estróbilos), são primitivas e as sementes são nuas (sem fruto).
As plantas com sementes são geralmente divididas em uma única classe, conhecidas como Spermatophyta, que está ainda subdividida em angiospermas e gimnospermas.
A palavra gimnosperma é derivada da palavra grega gymnospermos, que significa “semente nua”. Angiospermas e gimnospermas são plantas com sementes. Embora, as diferenças são mais distintas, os pontos a seguir mencionados são algumas das semelhanças entre eles.
  • Eles são capazes de produzir pólen para a fecundação e sua fecundação é siphonogamous, através de um tubo polínico. Gimnospermas dependem principalmente da polinização pelo vento e algumas angiospermas também são dependentes do mesmo agente.

Classificação[editar | editar código-fonte]

Nos esquemas de classificação mais antigos, as gimnospérmicas eram vistas como "um grupo natural". Existem evidências contraditórias sobre a questão de se considerar ou não as gimnospérmicas como um clado.[2][6]
O registro fóssil das gimnospérmicas inclui muitos taxa distintos, que não pertencem aos quatro grupos modernos, incluindo árvores portadoras de semente que possuem um morfologia vegetativa semelhante aos fetos(os chamados "fetos com semente" ou pteridospérmicas).[7]
Quando as gimnospérmicas fósseis são consideradas, tais como BennettitalesCaytonia e Glossopteridales, é claro que as angiospérmicas estão alojadas dentro um clado gimnospérmico mais alargado, apesar de permanecer pouco claro qual grupo de gimnospérmicas é o parente mais próximo.
Para a mais recente classificação relativa às gimnospérmicas extantes, lista-se de seguida a que foi elaborada por Christenhusz et al. (2011).[8]
Subclasse Cycadidae
  • Ordem Cycadales
    • Família CycadaceaeCycas
    • Família ZamiaceaeDioonBoweniaMacrozamiaLepidozamiaEncephalartosStangeriaCeratozamiaMicrocycasZamia.
Subclasse Ginkgoidae
Subclasse Gnetidae
Subclasse Pinidae
  • Ordem Pinales
    • Família PinaceaeCedrusPinusCathayaPiceaPseudotsugaLarixPseudolarixTsugaNothotsugaKeteleeriaAbies
  • Ordem Araucariales
    • Família AraucariaceaeAraucariaWollemiaAgathis
    • Família PodocarpaceaePhyllocladusLepidothamnusPrumnopitysSundacarpusHalocarpusParasitaxusLagarostrobosManoaoSaxegothaeaMicrocachrysPherosphaeraAcmopyleDacrycarpusDacrydiumFalcatifoliumRetrophyllumNageiaAfrocarpusPodocarpus
  • Ordem Cupressales
    • Família SciadopityaceaeSciadopitys
    • Família CupressaceaeCunninghamiaTaiwaniaAthrotaxisMetasequoiaSequoiaSequoiadendronCryptomeriaGlyptostrobusTaxodiumPapuacedrusAustrocedrusLibocedrusPilgerodendronWiddringtoniaDiselmaFitzroyaCallitris (incl. Actinostrobus), NeocallitropsisThujopsisThujaFokieniaChamaecyparisCupressusJuniperusCalocedrusTetraclinisPlatycladusMicrobiota
    • Família TaxaceaeAustrotaxusPseudotaxusTaxusCephalotaxusAmentotaxusTorreya assim nao posso esquecer que alen de ser o 3 terceiro grupo ele e bem diferente dos outro (briofitas e pteridofitas)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Ir para cima «Gymnosperms of Northeastern Wisconsin». Uwgb.edu. Consultado em 31 de maio de 2009
  2. ↑ Ir para:a b Jeffrey Dtozóide. Palmer, Douglas E. Soltis e Mark W. Chase (2004). «The plant tree of life: an overview and some points of view»American Journal of Botany91: 1437–1445. doi:10.3732/ajb.91.10.1437 Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "palmer" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  3. Ir para cima Ollerton J. Coulthard E. (2009). Evolution of Animal Pollination. Science, 326: 808-809. doi:10.1126/science.1181154
  4. Ir para cima Ren D, Labandeira CC, Santiago-Blay JA, Rasnitsyn A, Shih CK, Bashkuev A, Logan MA, Hotton CL, Dilcher D. (2009). Probable Pollination Mode Before Angiosperms: Eurasian, Long-Proboscid Scorpionflies. Science, 326 (5954), 840-847. doi:10.1126/science.1178338
  5. Ir para cima Hilton, Jason e Richard M. Bateman (2006). «Pteridosperms are the backbone of seed-plant phylogeny»Journal of the Torrey Botanical Society 133: 119-168. Bioone.org
  6. Ir para cima Stevens, P. F. (2001 onwards). «Angiosperm Phylogeny Website - Seed Plant Evolution» Verifique data em: |ano= (ajuda)
  7. Ir para cima Hilton, Jason, and Richard M. Bateman. 2006. Pteridosperms are the backbone of seed-plant phylogeny. Journal of the Torrey Botanical Society 133: 119-168 (abstract)
  8. Ir para cima Christenhusz, M.J.M., J.L. Reveal, A. Farjon, M.F. Gardner, R.R. Mill, and M.W. Chase (2011). A new classification and linear sequence of extant gymnosperms. Phytotaxa 19:55-70. http://www.mapress.com/phytotaxa/content/2011/f/pt00019p070.pdf

PTERIDOFITAS

As pteridófitas são um grupo de vegetais vasculares parafilético[2] sem sementes, com o cormo composto por raizcaule e folhas. Incluem as samambaias e cavalinhas, entre outras[3]

Reprodução das pteridófitas[editar | editar código-fonte]

O seu ciclo de vida possui duas fases alternantes: a fase gametofítica (gametófito) e a fase esporofítica (esporófito). Nas pteridófitas, o esporófito é a fase dominante, de maior porte, ao contrário do que acontece nas briófitas (ou musgos), grupo que antecede as pteridófitas.
O esporófito produz esporângios onde, por meiose, se formam esporos haplóides que dão origem ao gametófito, uma planta haplóide multicelular que irá produzir gametas, assegurando assim a reprodução assexuada da espécie.[4] Os esporos possuem metade do número cromossômico (n) do esporófito (2n), e, ao caírem no solo em condições favoráveis de nutrientes e água, germinam dando origem ao protalo. O protalo é um indivíduo de vida curta que produz gametas para dar origem a uma nova planta[3].
O gametófito é a fase de vida transitória, e normalmente não é enxergado a olho nu. Em muitas espécies, é preciso que haja uma relação simbiótica entre o gametófito e espécies de fungo do solo para que o primeiro consiga sobreviver. O gametófito produz estruturas "sexuais" que irão dar origem a gametas "masculinos" (anterozoides) e "femininos" (oosferas). Para que haja a fecundação é necessária a presença de água. Do zigoto formado pela fusão dos gametas cresce então um esporófito com o número total de cromossomos (2n).
Samambaias e avencas são pteridófitas bem conhecidas e muito utilizadas como plantas ornamentais. Porém esta definição geral inclui também vários outros grupos de plantas que atualmente são considerados em várias divisões, uma vez que se descobriu que o anterior táxon era polifilético. As pteridófitas são plantas que não possuem sementes. Normalmente são esverdeadas com manchas.
Ela é formada por :
-Esporófito
-Raiz
-Caule
-Folhas
-Trofofilos
-Esperofilas
-Trofoesporofilos
-Isosporadas
-Heterosporadas

Classificação[editar | editar código-fonte]

O esquema de classificação completo proposto por Smith et al. é (2006; nomes alternativos entre parêntesis rectos):

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons possui uma categoriacontendo imagens e outros ficheiros sobre Pteridophyta

Referências

  1. Ir para cima Smith, A.R.; Pryer, K.M.; Schuettpelz, E.; Korall, P.; Schneider, H.; Wolf, P.G. (2006). "A classification for extant ferns". Taxon 55 (3): 705–731. DOI:10.1093/molbev/msm267PMID 18056074.
  2. Ir para cima walter, judd (2009). sistemática vegetal um enfoque filogenético. [S.l.]: artmed
  3. ↑ Ir para:a b SóBiologia.com.br Pteridófitas
  4. Ir para cima 1"Ciclos de vida em plantas" no site Simbiotica.org acessado a 9 de junho de 2009.